A convivência entre o público e o privado é regulada pelas instituições da sociedade que estão em crise. Indivíduos, grupos de interesse, porta-vozes de correntes de opinião e defensores de valores sociais têm sua representatividade contestada. Em vez de fragmentação, é hora da interdependência.